sexta-feira, dezembro 30, 2011

...e em 2012...


Em 2012, eu quero que vocês se cuidem. Que vocês se sintam bem, sabe? Que vocês persigam seus sonhos (não sem antes descobrir qual é mesmo o SEU sonho), que vocês coloquem seus interesses na frente, que vocês tenham autoestima e foco: autoestima para acreditar que vocês merecem coisas boas e foco para não desistir das metas, sejam elas quais forem.

Mais atividade física, mais equilíbrio, mais dinheiro, mais calma, mais paz interior.



Acreditar em si faz bem.
Teremos novidades em 2012.

Beijos e aproveitem as festividades com moderação. Não quero ver ninguém passando mal no dia seguinte.

quinta-feira, dezembro 15, 2011

oi!

Tou aqui, tou bem, tou viva e minha ausência aqui é uma espécie de sinal de que minhas tentativas de autodisciplina estão funcionando. O que não está bem é meu maxilar, que sofre há alguns anos de uma disfunção temporo-mandibular constante que piorou de uma semana pra cá (um dente dói e, enquanto não chega a consulta com a dentista, estou sendo obrigada a mastigar do lado prejudicado, o que tem me feito dormir mal, raciocinar mal e viver mal por causa dessa bosta). Como já faz um tempo que parei de procrastinar coisas importantes, tipo saúde, 2a tem fisioterapia e 3a tem dentista. "Mas você não vai tirar férias em janeiro?", diz a colega de trabalho. Vou, mas com dor de dente não se brinca. É urgente.

No mais, tudo indo. Ter guardado uma grana durante o ano vai me ajudar muito em fevereiro, quando chegar o carnê do IPTU (prefiro um milhão de vezes pagar em cota única, sai mais barato e não preciso me preocupar o resto do ano); crises acontecem, passam, mas estou num momento que qualquer coisa que acontecer será boa - no trabalho, na vida pessoal, são sempre várias possibilidades abertas e em todas elas eu sei que vou me dar bem, e não é apenas uma sensação 'cega' de 'fé em deus', uma fantasia de 'copo meio cheio' quando está metade vazio - é fato. Todas as possibilidades abertas são boas, mesmo as que me tirariam do sério. REALMENTE tenho a sensação de que, não importa o que aconteça, vai dar certo.

Arpoador
Vai sim. Vai tudo dar certo.

O próximo passo será multiplicar meu tempo para conseguir escrever mais aqui. Vai rolar. Tenho certeza. :)
E você? Como vai a SUA vida?

domingo, novembro 20, 2011

Revista Wired também é autoajuda!

 http://www.norcalblogs.com/guy/2008/03/losing_your_cool.html
espero que os caras sejam bonzinhos com questões de copyright,
já que dar o crédito é especialidade da casa.

Pois este mês comprei a Wired (aquela revista adorável sobre tecnologia e cultura pop) por causa das matérias sobre os Muppets e dei de cara com um artigo apropriado, intitulado Self-help for nerds. Nele, o autor conta que, às vésperas de completar 30 anos, não tinha um emprego (ter um emprego do qual você não se orgulha e que paga também está valendo), passava os dias enchendo a cara e jogando videogame e vivia de um breve passado como apresentador da MTV, mas que não havia vingado. Um dia ele se tocou de que era um loser. E aí resolveu tomar uma atitude.

* * *
Sabe, a gente tem tendência a dar desculpas. "Eu sempre fui assim" não é desculpa para não mudar de atitude em relação a algumas coisas da vida - e mesmo assim, "eu sempre fui assim" pode ser a chave para a solução dos seus problemas. E Chris Hardwick, o tal nerd, resolveu usar seu vício por videogames a seu favor: afinal, se ele tinha foco para passar o dia jogando, foco não é um problema pra ele, que vendeu os videogames e resolveu, de uma vez por todas, focar em deixar de ser loser. Cortou os litros e litros de álcool da vida dele, perdeu uns 10kg logo de cara, todo mundo elogiou e isso virou, inclusive, uma motivação para continuar neste caminho.

* * *

Ao final do artigo, Chris traz a parábola do "curta seu burrito". A gente tende a ruminar passado. A gente também tende a ficar deprê depois de um prazer efêmero - e a nossa tendência é prolongar este prazer compulsivamente, comendo non-stop, bebendo demais, perder a hora e o dinheiro jogando, etc etc etc. São coisas que podem trazer endorfina ou relaxamento momentâneo, mas prestenção: não vão resolver seu problema e, pior, podem acabar com sua saúde a médio prazo. Então que tal curtir as coisas enquanto elas estão ali? Vai comer um burrito? SABOREIE seu burrito. Vai beber? Saboreie aquele drink, curta aquele momento. Ignore a compulsão e treine seu cérebro para lembrar que felicidade momentânea não é felicidade. A felicidade está em fazer, dos pequenos atos da vida, rituais. Em curtir cada momento, cada sabor, cada coisa boa enquanto ela está acontecendo.

Vale a pena ler o artigo.

E lembrar que não são só losers que têm vidas miseráveis: às vezes, você tem grana, você tem um trabalho, as pessoas te invejam mas você é um workaholic incorrigível, sem vida pessoal e à beira de um colapso nervoso. Você também precisa de ajuda. E o Projeto AutoAjuda pode te ajudar - em breve, como conciliar vida pessoal e profissional (sim, estou conseguindo!).

sábado, novembro 12, 2011

A responsabilidade é toda sua!

=
Esse desenho do Felipe Guga ilustra muito bem o que penso sobre isso. Quando eu fazia análise, cheguei (a duras penas, mas cheguei, e foi ótimo) à conclusão de que a minha felicidade independia de outras pessoas ou circunstâncias, mas de mim mesma. Imagina, você tá lá, na merda, porque levou um pé na bunda. "Ele me fazia feliz". MENTIRA. Ele fazia coisas pra você e você ficava feliz com as coisas que ele fazia. Entende a diferença? Ela fica mais clara quando você se lembra daqueles momentos em que tudo está bem e você está infeliz do mesmo jeito: você tem um emprego que todo mundo inveja, mas você não está satisfeito. Você tem uma mulher linda, inteligente, independente, incrível, um partidão, mas você não está apaixonado e, a bem da verdade, nem está muito feliz com o relacionamento. Não há nada de aparentemente errado na sua vida, mas você não está feliz. Então você entende que a felicidade está dentro de você, e isso é MÁGICO, porque te permite ser feliz mesmo quando a vida não está lá como você gostaria que estivesse (veja bem, se fosse um fator externo você estaria feliz quando as coisas estão bem e infeliz quando não estão, certo?).

* * *

E aí vamos além. Porque, assim, você descobre que, na verdade, não é só a sua felicidade que está em jogo, mas tudo na sua vida. Sua vida é o que você quer que ela seja. Mais uma vez, difícil pensar nisso quando você está na merda, mas raciocina comigo:

a) tudo o que você faz da sua vida é responsabilidade sua;
e b) independente do rumo que sua vida tome, é tudo uma questão de como você lida com as adversidades (ou venturas)

Se você me disser "eu vim de uma família pobre e não tive oportunidade de estudo", te respondo com algumas histórias verídicas de pessoas que se deram bem na vida - sujeito que pegou 12 reais emprestado, montou uma banquinha de balas e doces e ficou milionário dando palestra, um outro que dormia na rua e fazia uns bicos, mas as horinhas na lan-house pra estudar para um concurso foram cruciais para ter um emprego decente e uma casa, e por aí vai. Essas pessoas FAZEM. Saindo do campo das oportunidades, tem o irmão da minha amiga que tem down, é faixa preta de judô e acaba de rodar seu primeiro longa como ator. Tem aquelas pessoas que enfiam na cabeça que vão perder 60kg e não apenas perdem como mudam suas vidas, seus hábitos, encontram novos prazeres e até novas fontes de renda.

É tudo uma questão de determinação, de como você lida com sua vida, do quanto você realmente quer as coisas que você quer. "Ah, mas se hoje eu lido de tal forma com isso, é porque meus pais me criaram com liberdade/com restrições / me batiam / me deram amor demais / whatever". BULLSHIT. Pare de ficar terceirizando a responsabilidade do que acontece na sua vida. Sim, você é produto da criação dos seus pais, e isso justifica muita coisa. Mas, ao mesmo tempo, você pode romper com esse cordão umbilical a qualquer hora que você bem entender, e usar a criação que você teve para justificar apenas a parte que você acha boa ("ah, eles me deram educação, por isso sou assim").

* * *

Ninguém controla sua felicidade, além de você. Ninguém decide sobre sua vida, além de você. E isso é mágico, porque te permite tomar as rédeas dos seus sentimentos, da sua vida. E aí tudo muda, se você quiser (eu, por exemplo, digo que adoraria perder uns 6kg, mas não vou abrir mão da sobremesa depois do almoço nem vou acordar às 6h pra correr na praia, então a real é que eu aceito que não quero mudar muita coisa na minha vida, que anda bem boa. quando quiser, mudo).

quarta-feira, novembro 09, 2011

10 bons hábitos para uma vida maneira

Tá lá no SuperChargedLife, uma das minhas leituras diárias, os Top 10 bons hábitos para uma vida maneira. Vamos a eles?

1. Chegue na hora
Brasileiros, especialmente cariocas, já contam com aquele atrasinho. Gente, por favor. No trabalho, na VIDA, seja pontual. Neste mundo competitivo, pontualidade é um diferencial a favor.

2. Aja
Sério. Quer ter sucesso? FAÇA. Quer conseguir as coisas? CORRA ATRÁS. Procrastinar não vai servir pra nada a não ser atrasar sua vida.

3. Seja positivo e otimista
Não é, óbvio, pra brincar de jogo do contente mesmo quando tudo está ruim, mas você sabe e eu já te disse um milhão de vezes que pessoas pessimistas tendem a ficar na merda porque... porque mesmo que a vida esteja boa, elas vêem o lado ruim das coisas. Já falamos aqui sobre lei da atração... não é simplesmente 'pensar em coisas boas = atrair coisas boas / pensar em coisas ruins = atrair coisas ruins', até porque você atrai o que você faz por onde atrair. Logo, se você é um negativo nato, você provavelmente vai agir de forma a ser um fodido. Agradeça o que você já tem e acredite que sua vida será incrível (não apenas acredite, mas aja para que ela seja incrível), que as coisas começarão a acontecer.

4. Trabalhe duro
Tem gente que simplesmente tem sorte. Que nasceu bem. Se você procura conselhos num blog de autoajuda, esse provavelmente não é o seu caso, então... trabalhe duro. Não é pra dar o sangue pela empresa ou pra ficar à beira de uma estafa. É pra trabalhar duro para conseguir o que você deseja.

5. Arrisque-se
Mas Jeff Nickles, autor do blog, faz a ressalva: estamos falando dos riscos calculados. Me parece óbvio que apenas se jogar é pedir pra quebrar a cara, mas sim, se arriscar em novidades, se arriscar a fazer algo inédito, se bem planejado, pode ser muito melhor do que ficar no mesmo ponto para o resto da vida.

6. Invista sabiamente
Idem, idem. Você precisa investir dinheiro, tempo ou energia para conseguir o que você quer. É claro, é óbvio. Mas investir nas coisas certas e pensar a médio/longo prazo pode ser bem interessante. O autor é bem claro: "sacrificar algumas coisas para ter um bom retorno mais tarde". Por exemplo, ficar um pouco mais pobre no fim do mês, abrir mão de uns luxos supérfluos para ter uma aposentadoria digna (porque, claro, qualquer um pode morrer a qualquer hora, mas se você viver bastante é bom ter dinheiro para os remédios e para as viagens, certo?).

7. Pense a longo prazo
Tem a ver com o item anterior. Querer tudo 'para agora' e esperar retorno rápido é quase garantia de se dar mal. Pra que perder 10kg em um mês se, reeducando sua alimentação e perdendo peso progressivamente, você tem resultados mais duradouros? Seu negócio não é um fracasso se não começar a trazer retorno antes de um ano, hein? O segredo é se planejar direito.

8. Se dê bem com os outros
Autoexplicativo. Vivemos em sociedade e precisamos nos relacionar em algum grau com pessoas. Seja bom de convivência.

9. Ame
Sem medo. Faz bem.

10. Descanse adequadamente
Uma boa noite de sono é fundamental para recarregar as energias. Sim, temos um milhão de coisas para fazer durante o dia e à noite e esquecemos desta necessidade básica. Não pode esquecer, não. Tem que dormir. E tem que controlar a ansiedade para dormir bem. Dormir mal é garantia de estafa em breve, logo... durma!

* * *

Eu acrescentaria mais três:
- beba muita água: manter o corpo hidratado só traz benefícios para a sua saúde
- coma frutas e verduras: pois é. nossa alimentação também interfere no nosso nível de energia. quer ter pique pra fazer tudo o que você quer em 24h? Coma direito.
- faça regularmente algo que te dê prazer: muito legal esse papo de investir, de pensar a longo prazo, de trabalhar duro, mas se você não pode fazer o que gosta, qual é o sentido? o ideal, ideal mesmo, na vida, é trabalhar com algo que você goste - mas, convenhamos, nem sempre é possível. então faça arte, faça um esporte, medite, fotografe, sei lá: mas arrume um tempo para fazer algo que você ame. sempre.

segunda-feira, outubro 31, 2011

Reconhecendo padrões

Interessante este artigo do lifehacker intitulado "Como ser seu próprio terapeuta e resolver os problemas mais facilmente administráveis". Eu jamais recomendaria que você não procurasse ajuda profissional, porque esses caras são muito mais treinados do que a gente. Além do mais, é bom termos um acompanhamento do nosso progresso e alguém para orientar quando a gente "trava" durante o processo de autoconhecimento. Mas o ponto do artigo é o seguinte: você precisa aprender a reconhecer padrões.

Já ouviu uma máxima que diz que se o problema é recorrente, talvez esteja em você?

 

Pense nos seus relacionamentos fracassados: a culpa é toda dos seus ex ou sua, que segue o padrão de se envolver com pessoas que não estão 100% disponíveis pra um relacionamento? E se você segue esse padrão, que tal se perguntar por que? Será que é você que não está preparado para se envolver emocionalmente com alguém, por isso procura pessoas que não estão a fim? Será que você tem outras prioridades na sua vida, por isso arruma esses relacionamentos mais ou menos?

Pense no emprego do qual você reclama todos os dias: o problema é do emprego ou é seu, que está lá, todo dia engolindo sapo, atuando sob cargas de estresse altíssimas e servindo de esparro para pessoas que ganham 3x mais do que você? Será que você gosta do que faz? Será que não é hora de tomar uma atitude e procurar algo melhor?

E se você não acha emprego, já mandou centenas de currículos e não foi nem chamado para uma entrevista, o problema é do mercado ou é seu? O que você está fazendo de errado? Será que não falta qualificação, será que seu currículo está bem montado, será que o salário que você quer é compatível com sua experiência?

E o que dizer das suas finanças que são um caos? Sim, o custo de vida aumentou, mas o que explica que pessoas que ganham a mesma coisa que você conseguem juntar uma grana, conseguem terminar o mês no azul... alguma coisa VOCÊ está fazendo de errado. Que tal reconhecer os padrões e se esforçar para mudá-los?

* * *

O artigo dá o caminho das pedras:

1 - Interrogue-se como se você fosse um jornalista. Pergunte quem, o que, onde, quando, como e o por que do seu problema.
2 - Que tal agora comparar respostas e tentar achar relações entre elas?
3 - Quando você conseguir relacionar e achar padrões nas suas respostas, comece a considerar maneiras de substituir seu comportamento-padrão (que faz com que as coisas deem errado) por algo um pouco mais razoável, ou tente descobrir como se tornar confortável com as situações equivocadas (por exemplo, aceitar que é esse o emprego que você tem, ou aceitar que você não está a fim de se envolver emocionalmente no momento).
4 - Seja paciente. Perceber o problema é relativamente mais fácil do que implementar uma solução. Mudanças de comportamento precisam de tempo e perseverança.

O artigo vai além - um, ele alerta para o falso reconhecimento de padrões. "Ah, sempre foi assim, todas as vezes que fiz isso o resultado foi x", fobias, teorias conspiratórias e afins não se aplicam. Estamos falando de reconhecer padrões que você até agora não reconheceu, e não de uma dieta milagrosa ("ah, toda vez que comi melão antes do almoço, emagreci"). O artigo também menciona que a neurociência explica o não-reconhecimento de padrões -, vale a pena ler na íntegra. Se inglês não é o seu forte, vale a pena ver esse post véio aqui sobre cursos de inglês gratuitos e online.

...e bora reconhecer padrões e nos esforçar para mudá-los? Isso faz bem.



sábado, outubro 29, 2011

Motivação

Amiga dia desses pediu um post especial no Projeto AutoAjuda: diz ela que anda desmotivada ultimamente, em especial com a faculdade. Amiga estuda, trabalha, é casada e está prestes a entrar no retorno de saturno, aquela fase da crise dos pré-trinta que os astrólogos atribuem a saturno e os céticos dizem que é apenas a crise de quem vai fazer trinta anos e ainda não fez nada de relevante na vida - não que ser uma pessoa legal e querida não seja relevante, mas a gente fica vendo Brian Wilson fazendo o Pet Sounds aos 23, uma galera milionária antes dos trinta e a gente aqui, de vagabundagem no Facebook, com um emprego que a gente não sabe se é isso o que quer pro resto da vida (agora eu já sei, mas aos 27 eu não sabia mesmo), às vésperas de descobrir o que motiva a gente.

Uma coisa é certa: não é um post em um blog que vai fazer a amiga encontrar sua motivação. No meu caso, foram necessários uns bons anos de análise para descobrir que... que minha motivação estava exatamente em todas as coisas que eu sempre quis e, por algum motivo, batia cabeça com trabalhos / namorados / hobbies equivocados, quando tudo o que eu sempre quis estava lá, na minha frente, esse tempo todo. Lembro bem do meu terapeuta rindo da minha cara com meus sonhos recorrentes com cinema, com minhas histórias com uns sujeitos que hoje graças a deus são passado, e hoje tamos aí: quando eu era criança, queria ser escritora e hoje tou aqui, escrevendo pra vocês; queria cinema e entretenimento na minha vida, sempre levei jeito pra comunicação, e hoje tou aqui, ó, trabalhando com algo que amo; idealizava o 'homem da minha vida' tão parecido com o homem que hoje está na minha vida, que chega a assustar. Se falta algo na vida? Claro que falta! Não é assim que a humanidade evolui? Mas as coisas que me faltam, hoje, me motivam a correr atrás para conseguir, e não o contrário. Elas não tiram minha motivação.

O que tira minha motivação é perceber que não estou fazendo o que queria. Em 2004 ou 2005 eu tinha um emprego legal, ganhando direito, com perspectivas de crescimento, rodeada de pessoas legais, e o que é mais curioso: com relação com o que faço hoje. Mas não era a mesma coisa. Fui pra lá acreditando que seria uma coisa e era outra (pra ser mais específica: o discurso era de educação. a prática era de treinamento. o discurso era de qualidade e inovação. a prática era de fórmula pronta). Consegui inovar, consegui mudar alguns paradigmas e saí de lá pra quebrar a cara na indústria do entretenimento e para chegar onde estou hoje, numa posição muito parecida com a que estava naquela época, mas... hoje entendo o treinamento e a importância da fórmula pronta. Às vezes o que não te motiva hoje pode te motivar amanhã.

O que me mantém motivada é pensar no fim. Já falei isso aqui uma vez. Acordou desmotivada com o emprego? Pensa que é ele que te permite pagar suas contas e, eventualmente, comprar um aparelho de som fodaço ou fazer um curso interessante. Amiga tá desmotivada com a faculdade? PENSA NO DIPLOMA, em como vai te permitir fazer uns concursos interessantes ou te dar credibilidade na sua área. Agora... a desmotivação é diária? Se você não está fazendo nenhum tipo de acompanhamento psicológico regular...

...vale a pena tirar uns minutos por dia pra pensar na vida: todos os dias, meia horinha pra pensar no trabalho, na faculdade, no casamento, na vida que você está levando. Nossa sociedade valoriza o diploma, mas e aí? É isso o que você quer fazer? É essa a carreira que - agora - você quer seguir? (veja bem, você ainda pode mudar de ideia várias vezes na sua vida. nada é pra sempre).O emprego te dá mais estresse do que alegrias? Então é hora de planejar mudanças (e acho até que isso merece um post à parte) - seja mudar de emprego, de marido ou de faculdade, ou... bem, essa é difícil mas é incrivelmente válida:

mudar a maneira como você se relaciona com o trabalho, com o marido, com a faculdade ou o que quer que seja que não te motive agora. É acordar todos os dias e falar pra si mesma "ok, são só 4 anos. Vamos nessa. É pro meu bem". É acordar todos os dias e pensar "ok, são só 8h enquanto não arrumo algo melhor" (e vai tratando de procurar algo melhor em paralelo). Ou ainda "ok, são só 8h, mas eu vou sair daqui direto pra aula de dança/pro caderno de desenho/ pro blog / pro baile / pro cinema / pra minha câmera fotográfica / pra câmera de vídeo e OBRIGADA, TRABALHO, que me permite ter um tempo livre para as outras coisas que gosto de fazer e alguma verba pra investir na minha carreira paralela". Sei lá. É uma alternativa. Mas lembre-se de agradecer diariamente, porque emprego não tá fácil pra ninguém.

...e enquanto faz uma autoanálise da sua vida (recomendo enfaticamente o acompanhamento de um profissional especializado nisso, hein?), trate de descobrir o que te motiva. No dia em que descobri que dança me motivava, saí da vida de escrava branca na TV. Mas você pode descobrir que ter dinheiro te motiva, então você vai acumular três empregos de uma vez. No dia em que percebi que estudar mais ajudaria a aumentar minha renda e me permitiria dançar bem mais despreocupada num futuro não muito distante, entrei no modo motivação para os estudos, suspendi as aulas de dança ("são só dois anos! são só dois anos!") e me dediquei full time a sair do "superior completo" para o "pós graduado". Mas ainda acho que arte me motiva. Por isso dedico sempre um tempinho ao desenho, às costuras, à música. Só que também acho que ajudar os outros me motiva, então é por isso que estou aqui, escrevendo.

Espero ter ajudado.


Tem mais motivação aqui: projetoautoajuda.blogspot.com/search/label/motivação .

E lembre-se:


http://www.despair.com/motivation.html - Despair.com: desmotivando as pessoas desde quando, mesmo?


Você não vai achar motivação num post de blog de autoajuda. :)  Mas você pode tentar encontrar alguns caminhos para dar um fim ou mudar sua relação com o que não te motiva, ou achar o que te deixa motivada.Way to go. Qualquer coisa, grita.

sexta-feira, outubro 21, 2011

Botando as finanças em dia

Aqui em casa é difícil. Marido é gastador, apesar de ganhar pouco. Eu sou bem mais regulada, mas não necessariamente organizada. E até muito recentemente, não tinha hábito de guardar dinheiro (até porque não havia salário suficiente).

Powered by sxc.hu, grande clássico
da stock photo grátis
Ultimamente, tem sido possível. Não muito, é verdade, mas alguma coisa. Alguma pão durice é necessária, e o hábito de pensar a médio/longo prazo também. Já fez as contas de quanto você gasta numa saída à noite? Bebida + algo pra comer + táxi + entrada para algum lugar. Pois é. Agora multiplique por 4, caso você goste de sair toda semana, e veja o ROMBO no orçamento. Você quer MESMO fazer aquela viagem nas férias, mas não ganha um salário que é lá essas coisas? Então você vai ter que optar, infelizmente. Marido não optou durante o ano todo, apesar dos meus apelos, e agora periga eu ir sozinha. Ele tem menos de um mês para contornar algo que, se tivesse se planejado durante o ano... estou torcendo! Estou ajudando! Mas, gente, entendam que planejamento é fundamental.

* * *
Você usa homebanking? Acabo de descobrir que o do meu banco faz um rastreamento - assustador, é verdade, mas usado para uma boa causa - de tudo o que compro no débito. Não que eu já não soubesse que o rastreamento é possível, mas a boa causa é a seguinte: existe uma ferramenta de planejamento de finanças, que me dá todas as movimentações financeiras agrupadas por tipo (comunicações, lazer, casa, etc), mostra quanto eu tenho nos investimentos (por enquanto, apenas poupança e fundo de renda fixa LP. A previdência será aberta em breve). Ou seja, eu não tou pão-dura porque não tenho dinheiro: eu evito gastar porque estou guardando para a viagem, para o imóvel, para quando tiver filhos, para a aposentadoria. Sacou?

* * *
A sua relação com dinheiro precisa ser boa, sabe? Se você tem um salário mensal, você tem dinheiro - só que direciona para as prioridades erradas. Ficar dizendo "não vou fazer porque não tenho dinheiro" atrai não ter dinheiro. Você TEM. E você entende que a Lei da Atração não é papinho de autoajuda, e sim atração de energia mesmo. Então, sabendo quais são os seus gastos fixos, básicos e dos quais você não pode abrir mão, aplique TODO o resto logo no começo do mês, de preferência em dois investimentos: um de fácil resgate, para emergências, e um fundo futuro. Mesmo. Você precisa disso, especialmente se você ganha menos do que você gostaria de ganhar - imagina se aposentar com seu salário, tendo que gastar 5x mais com remédios, hã? Você não quer isso. Nem eu.

* * *
Tem também a técnica da carteira, que aprendi no livro "Peça e Será Atendido" (um bom livro de autoajuda, aliás). Ter dinheiro na carteira é bom pra evitar a fala "não tenho dinheiro". Você TEM. Mas prefere gastar de outra forma.

* * *
Por fim, lembre-se sempre de que cheque especial não é um dinheiro SEU e deve ser ignorado sempre que possível, parcelar no cartão só vale a pena a compra pode ser quitada em poucos meses (pra você não ficar pagando juros) e que duas saídas noturnas de 50 reais cada por semana geram, por mês, 400 reais a menos na sua conta, que poderiam ir direto para um plano de previdência ou um fundo de investimento. Um bom par de sapatos pode até ser considerado um ativo, considerando que ele realmente vá melhorar sua aparência e, assim, contribuir para uma maior remuneração. Uma saída noturna com o propósito de fazer networking pode ser considerada um ativo, desde que você tenha algum lucro decorrente dela (sim, você precisa botar no papel quanto você gasta e quanto você gahou com isso - se você está há meses gastando e ainda não obteve retorno, pense seriamente em aplicar seu dinheiro de outra forma).

Daqui a uns seis meses, consigo dizer pra vocês se essa educação financeira toda está funcionando... e vocês conseguem me dizer se adianta pra vocês também!

sábado, outubro 08, 2011

Mantra antiprocrastinação

Caro leitor, talvez você precise disso. Se você tem perfil no facebook, aliás, você certamente precisa disso. Repita comigo:

Só por hoje, não vou fuçar perfis alheios na internet.
Só por hoje, caguei baldes para o que semidesconhecidos fizeram ou estão pensando, e vou viver a MINHA vida.
Só por hoje, vou escrever um texto, ler um livro, fazer um curso online grátis do MIT ou qualquer outra coisa mais produtiva do que pular de perfil em perfil, comentando e clicando em 'like', até descobrir que horas se passaram e eu não fiz nada do que deveria ter feito.
Só por hoje, vou produzir o meu próprio conteúdo.
A vida alheia não me interessa, a menos que seja a das pessoas que eu amo de verdade e de quem realmente estou com saudades.
Um ou outro, vá lá. Mas eu tenho mais o que fazer. E VOU fazer.

Funciona, caro leitor. Funciona. Chega uma hora em que é automático, você simplesmente é capaz de entrar na internet apenas para ter pauta ou para comentar as interações que fizeram com você. Um dia, você será capaz de comentar e curtir conteúdos e informações realmente relevantes, boas dicas de música, boas piadas e boas resenhas, em vez de apenas curtir que fulano foi marcado na foto de sicrano.

Acredite. É possível desintoxicar.

sexta-feira, setembro 30, 2011

Sonzinho goodvibe da 6a feira - ASA - "Why can't we"

A queridíssima Beth Salgueiro deu a dica da ASA (ou Asha, como preferir). A mulher é dona de uma voz incrível e suas músicas espalhadas por aí, sempre goodvibe. Tá estressado? Tá meio mals? Vida tá esquisita? Uma rodada de sonzinho alto astral, clipe fofo, balões, bicicletas, TVzinha vintage e o vozeirão dessa menina que eu aposto que melhora:

ASA - Why Can't We

http://youtu.be/PqbmBM-z72s

Bom fim de semana pra vocês... e se quiserem ainda mais goodvibe, vão ver minha banda, a sensacional Uisqueletos Extravaganza, amanhã (01/10) na Feira Rio Antigo, na rua do Lavradio, por volta dumas 16h!

terça-feira, setembro 27, 2011

Aprendendo a andar de bicicleta

Andar de bicicleta me deixa feliz. Tá, grande coisa, endorfina no geral deixa todo mundo mais feliz - mas a bike tem a coisa da liberdade, da locomoção ao ar livre, do ventinho no cabelo, pega um sol enquanto pedala...

Marido está de acordo, ele fica um cara BEM mais tranquilo quando pedala.

* * *

Você se lembra de quando aprendeu a andar de bicicleta? Provavelmente lá pelos cinco ou seis anos, com rodinhas numa Monark micro. A primeira vez sem rodinhas. O primeiro tombo. Mas hoje você pedala, e até vai para o trabalho de bike de vez em quando.

Ou você não pedala. Você nunca aprendeu a andar de bicicleta, na verdade... do mesmo jeito que eu nunca aprendi a nadar direito. Mas você se lembra, certamente, de quando aprendeu algo novo, que pode ser rodar bambolê, equação de terceiro grau ou os 4Ps do marketing. Você pode ter aprendido a não confiar tanto nas pessoas, a fazer ovo pochê, a trocar fraldas. Diz aí se a sensação não foi mais ou menos essa?


http://youtu.be/eaIvk1cSyG8 - Thumbs up for rock'n'rooooool!

Diz aí.

O que você aprendeu recentemente?

terça-feira, setembro 13, 2011

Zen e a arte de esperar

Criar expectativas é ruim. Acreditar que as coisas vão melhorar é uma coisa - quando é "apenas uma fase" ou quando o esforço é seu e melhorar depende apenas de você... aí ok. Tem mais é que acreditar, até mesmo para aquela dose extra de motivação (você faz porque você acredita). Mas criar expectativas de que fulano vai mudar de opinião, que todo o seu esforço como funcionário exemplar será recompensado ou de que todos vão sorrir pra você naquele dia só porque você quer? Não sei. Não confio. Prefiro me preparar para o pior e ter sempre um ou mais planos B na manga.

Então, assim: recomendo a arte de esperar. Não a de apenas esperar que as coisas deem certo, mas a de ir fazendo e dando o seu máximo e plantando frutos, porque uma hora vai chegar a hora de colher. A arte de ter paciência que uma hora vai (e também a de ter o bom senso de não esperar pra sempre por coisas que talvez a gente não enxergue, mas a real é que não vão acontecer).

Com calma. Com calma e plantando. Com calma e fazendo cursos. Com calma e aprendendo coisas. Com calma e observando. Vai rolar. Você sabe que vai rolar.

segunda-feira, setembro 12, 2011

Disciplina é sinal de que autoajuda funciona?

Queridos leitores: autoajuda também é ter foco e disciplina. Não vou abandonar este espaço, não, de jeito nenhum! Mas essa época de fim de pós graduação (e, vejam bem, excesso de trabalho) acaba obrigando a gente a focar no que paga as contas, no trabalho da pós (que vai ajudar bastante a pagar as contas, já que é um projeto para a empresa onde trabalho) e em tentativas de arrumar a casa.

Estamos firmes e fortes, aparentemente marido não quer mais nada com o Johrei (e eu não tenho conseguido ir, porque tenho saído em cima da hora de chegar no trabalho), foco e disciplina no trabalho estão em níveis épicos (tão épicos que marido anda com medo que eu tenha um piripaque do coração - o colapso nervoso está a caminho). Falta algo para deixar os dias mais zen. Foda é que com essa chuvinha fica difícil pegar a bike para ir ao trabalho...

Quero ouvir vocês. Alguém aí tem uma boa literatura de autoajuda pra recomendar? Marido precisa de autoajuda financeira no momento. Eu preciso de qualquer coisa que ajude a acalmar a mente.

...observar os pássaros no céu, talvez?

Beijos e boa semana!

terça-feira, agosto 30, 2011

Mantra da semana

Quando você lê UMA, e apenas UMA notícia do dia na sua única pausa de 10 minutos do trabalho no dia inteiro, quer dizer que você está usando todo o seu tempo e mais um pouco no trabalho para, efetivamente, trabalhar. E se você, que sempre responde imediatamente às demandas, ignora todas nos últimos 2 dias, é sinal de que tem algo... não errado, certamente. Mas que tem algo acontecendo.

Sim: você é uma só, carregando uma área (sim, agora pode ser chamada de área) inteira nas costas, ganhando a metade do salário de alguém que carrega uma área inteira nas costas e os outros vão ter que esperar, porque você não consegue fazer tudo ao mesmo tempo.

Então, amigos, o mantra da semana é:


Vou repetir até a exaustão.

E o seu? Qual é?

* * *
P.S.: conversar e pedir ajuda pro marido FUNCIONA. Especialmente se você está claramente à beira de um colapso nervoso.


quinta-feira, agosto 25, 2011

Preciso de ajuda: como conseguir ajuda em casa?

Decluttering. Clutter é o termo em inglês para 'excesso de coisas acumuladas'. Declutter é o famoso 'desapegar de tudo o que você não precisa e arrumar o que restou'. Já falei sobre isso aqui, mas esse assunto PRECISA ser recorrente. Porque eu preciso de ajuda. Não apenas para desapegar, doar coisas, arrumar e jogar coisas fora, mas para convencer meu marido de que isso também é necessidade dele. Que a faxina de sábado pode ser mantida durante a semana com apenas 20 minutos diários guardando as roupas espalhadas pela casa, tentando deixar o sofá livre para sentar e catando todos os lencinhos de assoar nariz que caíram acidentalmente pela casa. E que eu não posso ser a única responsável por isso.

Não tou reclamando do marido não. Sério. Por favor, não me interpretem mal. Maridão, eu te amo! Lindo! Gostoso! Cheiroso! E... ele me ajuda! JURO! Mas manter o ambiente mais ou menos em ordem no dia a dia é bem complicado, e acabamos fazendo umas faxinas meia-bomba no fim de semana que, quando chega na 4a feira, não tem nem mais resquício.

Ando à beira de um colapso nervoso. Trabalho, reta final da pós-graduação, shows da banda e... cuidar da casa. É preciso, pois um ambiente mais ou menos limpo é bem mais saudável e inspira a manter a cabeça em ordem, mas... como é difícil! Eu já sou um tanto ESPAÇOSA... junta a bagunça do marido e, leitores, não dá nem vontade de chegar em casa.

...e quando penso em começar a trabalhar um esquema de rotinas sério, com direito a quadro de avisos e alarme tocando ao final das tarefas... lembro que não deve ser divertido pra ele ser casado com uma general, e nem é divertido pra mim assumir MAIS uma responsabilidade.

Como fazer? 20 minutinhos por dia, os dois, juntos, será que ajudam a dar jeito?

sábado, agosto 20, 2011

Um botão de 'deixe tudo bem'

Naqueles dias em que você acorda e não, as coisas não estão legais... um botão de 'tudo vai ficar bem', que REALMENTE deixasse tudo bem - não era o que você queria?

Pois você tem!

http://www.make-everything-ok.com/

...e se não funcionar, cheque suas próprias configurações de percepção da realidade. Muito provavelmente é a sua percepção da realidade que está com, digamos, defeito.

(valeu, Schonfs!)

quarta-feira, agosto 10, 2011

Só por hoje... a dieta foi pro saco

Tenho uma confissão séria a fazer: a tática do 'só por hoje' para evitar doces (especialmente o brigadeirinho depois do almoço) já foi pro saco HÁ MUITO TEMPO. E como tenho conseguido manter o peso que consegui cortando doces por APROXIMADAMENTE DUAS SEMANAS?

Resposta: não sei.

Quer dizer, tenho umas pistas.

Uma é a compensação. Comi sobremesa? Pego leve na janta. Aliás, pego leve na janta sempre, ainda mais depois que descobri uma gastrite que me causa um refluxo e me enche de azia quando como à noite.

Outra é que, para melhorar do refluxo, diminuí seriamente pão e farináceos da minha vida. Isso faz diferença. Desincha. Já tou curtindo experimentar roupa, ando curtindo o que vejo naqueles espelhos enormes de frente, lado e costas.

E mais uma é que, pelo menos 4 vezes na semana, tou fazendo o bambolezinho. Vinte minutos, meia hora, é o tempo que marido gasta no joguinho do facebook e eu brinco de tentar fazer minhas acrobacias. Já não me restrinjo mais à cintura e estou fazendo chest hooping de braços pra cima, chest hooping de braços fechados, já consigo passar da cintura pro peito, pro pescoço, de volta pra cintura e por aí vai. Não é musculação, não vai te deixar sarado (a), mas dá um certo condicionamento na musculatura interna, nas pernas, na VIDA.

"Ah, não sei rodar bambolê" não é desculpa. Eu também não sabia até ano retrasado. Comecei com um para o meu tamanho (é, aqueles de criança não servem mais pra você) e fui rodando, rodando, rodando, e aprendendo a fazer coisas diferentes, a variar os movimentos. É uma delícia.

Se empolgou? A notícia ruim é que o bambolê que uso é profissional, não vende no Brasil e o frete é carésimo. Pedi pra minha irmã trazer dos EUA, na verdade - mas, olha, foi uma compra FELIZ. Ele tem o tamanho, peso e estabilidade perfeitos para um adulto do meu tamanho. Recomendo. A notícia boa (sempre tem notícias boas aqui, claro!) é que FAZER um bambolê pro seu tamanho é fácil, sai barato e é um processo super gostoso. Mariana Bandarra ensina como.


* * *

Vale ressaltar que não, não estou magra, não quero ficar magra, estou muito satisfeita com minhas curvas, valeu. A dieta e os exercícios são muito mais pra condicionar e pra não precisar gastar uma grana que não tenho com roupa nova.

* * *

E você? Tem dado atenção ao seu bem-estar físico também?

quinta-feira, agosto 04, 2011

Tentar ir à igreja também é autoajuda

Eis que fui parar num culto de JohRei hoje cedo. Arrastei marido, a missionária disse que só levava 5 minutinhos, fomos lá. Já tinha ido num Johrei Center pra tomar uns passes, mas foi a primeira vez que fui a um culto. Minhas impressões?

Bem, é uma IGREJA Messiânica, né? O nome é assustador, mas o local é simples, senhorinhas felizes, longevas e tranquilas, um altar sem muitos fru-frus, não tem ninguém pegando na sua cabeça e mandando sair o demônio, não tem imagens de pessoas crucificadas, não tem ninguém entrando em transe vestido de exu, nada disso: lá, reina o silêncio, a voz baixa, a musiquinha calma e um telão com fotos de pinguins fofos e mensagens que poderiam ser chamadas de 'mensagens de autoajuda', não fossem também mensagens de ajuda para o mundo. E ninguém chama de religião, e sim de filosofia. Pode não fazer a menor diferença na prática, mas você que é cético encara a coisa de maneira diferente.

Um lado meu não consegue entrar no clima da oração, especialmente a oração em japonês, uma vez que nunca me identifiquei com gente que segue doutrinas que não entende - basicamente, o missionário pode dizer as coisas mais lindas, mensagens de purificação mesmo, acredito mesmo que seja com a melhor das intenções, mas se não sei o que é, fica difícil entrar na onda. Já o outro lado gosta do clima de pessoas dando bom dia assim, de graça e sinceramente; gosta da ideia de reservar uns minutinhos para meditação; Na entrada, eles dão um folder que mostra os benefícios científicos do Johrei - uma análise de ondas cerebrais antes e depois de uma sessão. É aquilo né? Todas as religiões e estados meditativos alteram as ondas cerebrais de alguma forma, o que quer dizer que não é mérito só da Messiânica... mas o culto é rápido, é silencioso, o altar é discreto, mal não faz. Marido também aprovou. Acho que vamos virar frequentadores mais ou menos assíduos (só precisamos acordar um pouco mais cedo de vez em quando).

Será que vamos ficar mais calmos? Mais zen? Será que marido vai alcançar a paz que tanto lhe falta? Será que me transformarei numa pessoa mais tolerante? A saber.

E você? Vai a algum tipo de culto? Medita? Frequenta alguma igreja ou algo do gênero? AJUDA? Conta aê.

segunda-feira, agosto 01, 2011

Novos links

Não sei se vocês já repararam ali na barra lateral, mas adicionei mais uns links de blogs que talvez tenham tudo a ver com esse aqui:

# Supere-se - "Desenvolvimento pessoal para o sucesso", é o mote. Pra quem quer ficar rica e bem sucedida com autoajuda, acho digníssimo incluir o Supere-se nos bookmarks!

# Arca do conhecimento - Desenvolvimento pessoal numa linha um pouco mais espiritual/religiosa, textos enviados pelos leitores. Tem uma ótima lista de links na linha autoajuda / autoconhecimento / espiritualidade.

# Vai dar certo - "A vida com autoestima". Engenharia mental e motivação, como chamariz para um trabalho de coaching pessoal que, se depender dos artigos do blog, deve ser bom.

# Blog Somos todos um - Somos Todos Um é um dos mais antigos sites de autoajuda / zen / espiritualidade da internet. Vale a pena conhecer, se você ainda não conhece.

# Frases que curam - Pois é. Frases e mensagens de autoajuda fazem um grande sucesso entre os leitores da categoria... e são farto material para análise (por que as pessoas se satisfazem com citações? E o autoconhecimento? Dá para refletir sobre um assunto em 140 caracteres?).

# Fazendo meu caminho - Também nessa linha mais espírita, a autora conta sobre filmes que viu, seu dia a dia de frequentadora de Centro e frases e imagens inspiradoras, digamos. Vale a leitura.

E você? Tem procurado conforto em que? Tem mentalizado? Tem pedido algo para o universo? Me recomenda mais algum blog nessa linha?

Beijos e boa semana!

sexta-feira, julho 22, 2011

Sua caneca de café está meio cheia ou meio vazia?

Uma pausa nas 20 coisas para tornar seu dia inesquecível para um pequeno comercial de café: a marca canadense Maxwell House abriu sua cafeteria própria - a OPTIMISM CAFÉ - e apostou no conceito da motivação - afinal, tem algo mais motivador para começar o dia do que uma bela caneca de bom café?

O site é ótimo, é lindo, dá vontade de uma boa dose de cafeína e é um boost instantâneo no ânimo, já que os usuários podem compartilhar suas fotos e declarações inspiradoras de good vibes. Dá uma olhada: http://www.brewsomegood.ca/ 

E aqui, o mimoso comercial da marca, com a pequena Jessica TODA TRABALHADA NA MOTIVAÇÃO. Você já viu isso na internet, tenho certeza. Pois. Vale a pena rever:


http://youtu.be/VeyZxxYjnKQ

segunda-feira, julho 18, 2011

Como tornar seu dia inesquecível, parte 3

Então você leu as duas primeiras partes de 'Como tornar seu dia inesquecível'. E você não se aguentou de curiosidade e foi para o post original, mas você voltou aqui porque curtiu minha maneira de interpretar as dicas (afinal, você é brasileiro, você tá tão precisando de autoajuda quanto eu, enfim). Então segura que agora vem a parte três. Olha:

  • Ajudar alguém - O post original fala sobre quando você tem um impacto positivo na vida das pessoas. Fala sobre ajudar os outros a serem felizes. Tudo muito lindo, mas às vezes a pessoa não quer ser ajudada. Às vezes a gente está apenas se intrometendo na vida alheia. E aí? Minha sugestão: este item só vale se a pessoa ajudada agradecer.
  • Participar de algo em que você acredita – ...o que pode ser qualquer coisa: associação de moradores do bairro, igreja, ONG, blog coletivo... engajamento em coisas que você gosta dá um gás na vida, sabe? Ainda mais quando você consegue participar de forma profissional, quero dizer, ganhando dinheiro e vivendo de algo em que você acredita. Dá gosto. Já tentou?
  • Os velhos amigos - Sabe aqueles papos com a melhor amiga de infância? Aquela cervejinha inocente com algum amigo de longa data que você não vê há tempos? Então. Isso faz qualquer dia ser mais legal.
  • Fazer novos amigos - Por que não? Mas vale lembrar duas coisas: uma, networking não é necessariamente fazer amigos... e duas, novos amigos aparecem naturalmente (ou seja, "sair para fazer amigos", "Fazer um curso para fazer amigos" não necessariamente vai funcionar).
  • Fazer algo do qual você possa rir depois – Sim. Diversão, piadas internas com o marido / amigos / família... rir é legal e faz bem, rir depois prolonga os efeitos benéficos do riso.

Ainda falta mais uma parte. São 20 coisas para tornar os seus dias inesquecíveis. Mas e as tarefas diárias? Tá fazendo? Tá virando hábito?

    * Alongamento - você tem feito? Cara, não leva cinco minutos. Dá uma alongada na coluna, nos braços e nas pernas quando acordar, enquanto estiver se espreguiçando. Faz um bem danado. Se puder fazer isso de cara pra janela, melhor ainda.
    * Agradeço tudo o que tenho - você tem agradecido? Você tem um lugar pra morar, acesso à internet, tem saúde, já é o suficiente pra agradecer. Se você tiver um marido como o meu, uma família como a minha e um emprego que te pague pelo menos as contas e tenha um ambiente legal, você TEM QUE se sentir grato.
    * Penso em como quero que seja meu dia - ando falhando nessa, não tenho imaginado muito as coisas boas que quero que aconteçam. Lembro só de vez em quando, quando pressinto problemas...
    * Visualizo dinheiro entrando na minha conta - olha, isso tá até legal. Não está funcionando tanto quanto eu queria, mas Estou a caminho de chegar na soma que acho ideal para viver com conforto e poder bancar cursos, viagens y otras cositas más.
    * Penso na casa que quero ter - E essa, agora? Tenho esquecido também.
    * Me visualizo pesando 61kg (e coradinha, com saúde) - Aaaah, deixa eu te falar: suplementos de ferro e o feijãozinho delícia do marido têm feito milagres pras minhas bochechas, agora rosadas.
    * Digo pra Cid o quanto eu o amo (essa eu sei que funciona, tá mais pra 'ação e reação' do que pra 'lei da atração'!) - Sim!
    * Organização e produtividade: faço uma lista das tarefas das quais preciso dar conta (de 'responder e-mail de fulano' a 'passar no hortifruti'), faço as mais rápidas e simples primeiro, não disperso enquanto não terminar (essa eu sei que funciona também!) - Sim!
    * Entro em contato com minha família (e-mail, telefone ou sinal de fumaça) - Isso faz bem. Família são aquelas pessoas que seguram sua barra, não importa o que aconteça.

E você? Tem trabalhado para que sua vida seja a que você sempre quis? Pensar positivo adianta pra você? Me conta aí.

quinta-feira, julho 14, 2011

Como recuperar a voz depois de um excesso vocal

Então você exagerou no karaokê. Foi para a rodinha de violão na sexta e acordou sábado completamente sem voz. Deu uma palestra e se viu praticamente mudo no dia seguinte. Existem vários motivos para as disfonias: lesões mais ou menos graves nas pregas vocais, problemas crônicos… Só um médico pode dizer realmente o que você tem. Mas, se você não estiver sentindo dores, vale tentar isso aqui.
 

Você vai precisar de:
  • Muita água (nada de gelados!)
  • Maçã
  • Spray de mel, própolis e romã
  • Papel e caneta
  • Paciência
  • Bons ouvidos


1 Exercite a paciência e a audiçãoVocê não pode falar até recuperar a voz. NADA. Nem um ‘ai’. Não insista. Falar baixo também não pode: sussurrar só vai forçar sua voz. Isso aí. Ouça, preste atenção nos barulhos, nas pessoas. Avise no trabalho que hoje, e só hoje, você se comunicará apenas por e-mail. Aprenda a linguagem de libras. Use bilhetinhos. Passar um dia no silêncio absoluto é um exercício curioso, mas você recuperará sua voz rapidinho. Papel e caneta ajudarão – e muito – a dar o recado.

2 SpraysAutomedicação não é legal em hipótese alguma, lembre-se disso… Mas spray de mel com própolis está liberado (considerando que você não tem diabetes e pode usar esses sprays, certo?). Procure um que tenha extrato de romã. Uma carga extra de própolis não faz mal. Borrife sempre que você quiser falar com alguém… Em vez de falar. Que tal?


3 ÁguaBeba água, muita água. A água ajuda a limpar o muco da garganta e a manter as pregas vocais hidratadas. Não, não, pastilha não: pastilhas aliviam as dores, mas podem mascarar algum desconforto. Uma dosezinha de conhaque também não, pelo mesmo motivo: você acha que o álcool relaxa sua voz, mas o que acontece é que ele apenas anestesia – se você tiver um problema, ele ainda estará lá. Não cura. Não hidrata. Não limpa. Aposte na água, muita água: 1 litro de água na temperatura ambiente está bom!
 
4 Força de vontadeNão, você ainda não pode falar. Sua voz deve ficar de repouso. E, se estiver frio, agasalhe bem a região do pescoço: manter a garganta quentinha e confortável ajuda, ah, se ajuda! Mas, olha… Não pode falar. Nada. Entendeu?


5 MaçãSe Maria Bethânia diz que sua receita para voz é ‘mel e maçã’, quem somos nós para contestar? O fato é que a maçã ‘desce limpando’, sendo recomendada em dez entre dez receitas para melhorar a rouquidão.
 
6 Lembre-se!O normal, com muita água, própolis, romã e silêncio, é que sua voz volte ao normal rápido. Se a rouquidão demorar mais de quatro ou cinco dias para passar, vá ao médico. Ela pode ser sinal de algo mais grave, como lesões, pólipos e outros problemas nas cordas vocais. Cuide-se!
 
7 Vai usar a voz com frequência?A rodinha de violão virou uma banda de rock? Vai virar habitué do karaokê? As palestras se multiplicaram e agora acontecem uma vez por semana? Quando estiver 100%, fazer um acompanhamento com um fonoaudiólogo ou aulas de preparação vocal será fundamental para manter a voz sempre saudável.

quarta-feira, julho 13, 2011

Como tornar seu dia inesquecível, parte 2

Continuando o post anterior sobre as 20 maneiras de tornar seu dia inesquecível, seguem mais cinco. Vamos de pouquinho em pouquinho para o assunto render, ha ha. Essas aqui eu sei que também funcionam, olha:


  • Dizer ‘sim’ para uma oportunidade espontânea - É, nem tudo pode ser planejado, é o que explicam os autores do post que originou esta série.
  • Pra mim, aceitar isso sempre foi um problema e é algo que tento trabalhar, já que aprendi tanto a duras penas que ‘furar planejamentos não é legal, principalmente quando envolve outras pessoas’ que hoje em dia tenho absoluto horror a golpes do acaso, aleatoriedades e coisas que não saem como planejado. Só que, contrariando minha crença, coisas não planejadas podem ser boas quando trazem boas oportunidades - e boas oportunidades são sempre boas. O que não quer dizer, ouviu, Marido? não quer dizer que furar coisas combinadas seja bom, e também não quer dizer que beber na Lapa traz boas oportunidades sempre. Tá? :p
  • Completar um trabalho não acabado - Sabe aquele artigo? Aquele livro? Aquela ilustração? Aquela escultura? HOJE, isso, HOJE é um bom dia pra terminar aquilo que você começou há semanas e não terminou ainda.
  • Documentar seu dia - Tirar fotos, desenhar, escrever um diário... os autores são pró ‘boas memórias’. Já eu, depois de anos e anos de diários escritos e online, acho meio bullshit: daqui a vinte anos, talvez tudo o que você queira será jogar seu passado na lixeira e viver o presente. Guardar coisas, livros, dados e se apegar ao passado pode ser legal, mas também pode ser uma prisão. De qualquer forma, documentar seu dia SEMPRE é legal para estimular seu texto, estimular seu olhar fotográfico e, porque não, inspirar outras pessoas. Aí sou a favor.
  • Sorrir e se ater ao que é certo - Novamente, é a questão da perspectiva: não importa o que aconteça, cabe a VOCÊ lidar com isso de uma forma positiva ou negativa. O que, para uns, é um desastre, para outros é uma oportunidade de recomeço, de aprendizado ou do que quer que seja. Apreciar o que você acha bom e aprender com o resto, esta é a chave.
  • Ser autêntico - Os autores do artigo falam sobre ser você mesmo, ser fiel a seus princípios. Só que, às vezes, ser fiel a seus princípios te torna uma pessoa desagradável, cabeça dura e intransigente, incapaz de viver em sociedade. Eu adaptaria essa questão, sabe? Acho que a autenticidade não é só ‘viver de acordo com os seus princípios’, mas também a questão da felicidade projetada: a gente se compara muito aos outros, sabe? Você que está solteira acha que só vai ser feliz quando tiver um namorado (porque outras pessoas têm e são felizes), você que não sai pra jantar fora toda semana em restaurantes exóticos acha que não é feliz porque não sai pra jantar fora toda semana em restaurantes exóticos, você acha que não é feliz porque não ganha um salário de 5 dígitos... muitas vezes isso não é uma necessidade SUA, mas um desejo projetado porque alguém faz isso e é legal e você gostaria de ter aquela vida. Só que aquelas pessoas não têm vidas perfeitas e, pra ter um salário de 5 dígitos é preciso abrir mão da sua vida pessoal... pra ter um namorado bacana é preciso abrir mão de um monte de preconceitos e abrir espaço na sua vida praquela pessoa... e por aí vai. Então... assim... seja autêntico: o que você REALMENTE deseja?
Em breve, as outras partes do post... afinal, são VINTE maneiras de tornar seu dia inesquecível. Enquanto isso, me conta: o que você tem feito para tornar seus dias inesquecíveis?

domingo, julho 10, 2011

Como tornar seu dia inesquecível, parte 1

Vi lá no Marc and angel Hack Life. Na verdade, eles listam 20 maneiras. Vou listar aqui de 5 em 5, pra não fazer aqueles posts gigantes, cansativos e que ninguém vai ler até o final. Mas eu li o post original até o fim e, sim, os dias serão melhores se você...

  • Tentar algo totalmente novo – já falei isso algumas vezes aqui. Aprender coisas novas, mudar de trajeto de vez em quando, fazer coisas que você nunca fez antes, experimentar comidas exóticas... e ainda que seja um projeto a longo ou médio prazo, o processo de aprendizado espanta o tédio da vida.
  • Conseguir se entreter com experiências do mundo real – É isso aí mesmo. Levante seu traseiro gordo e vá dar uma volta na rua, ver gente, ver o mar, fazer qualquer coisa ao ar livre. Faz bem PACAS. Inclusive é isso o que vamos fazer já já, assim que eu acabar de escrever este post.
    Trabalhar em algo que tenha algum significado pra você – As chances do seu emprego ser legal apenas porque paga o seu salário são grandes (e se tem uma coisa que agradeço todos os dias é pelo meu trabalho, que significa MUITO pra mim - faço algo que gosto num lugar cujo negócio é o meu negócio desde sempre), mas nada te impede de ter um projeto pessoal: uma banda? Um negócio paralelo? Você escreve, você desenha? Você faz tricô? Marc&Angel lembram bem e eu reitero aqui: a vida é curta demais, você deve começar a fazer algo que você gosta hoje mesmo.
  • Desafiar sua mente e corpo – Essa eu tenho algumas restrições. Desafiar DEMAIS pode ser uma ação suicida. Mas se você souber seu limite, manda ver: um novo esporte, uma nova dança, estimular a criatividade até o quase genial... é possível. Vamos nessa.
  • Concentrar em menos tarefas – É difícil. Eu sei. Mas fazer menos pode significar fazer bem, fazer com atenção, fazer com prazer. E a verdade é que gastamos muito tempo em tarefas inúteis ou não tão urgentes assim. Que tal diminuir o ritmo de vez em quando... mas fazer direito?

Ao longo da semana, posto as outras dicas. Enquanto isso..
  • O que você aprendeu hoje?
  • Já disse 'eu te amo' (sinceramente) pra alguém hoje?
  • Já abraçou alguém hoje?
  • Já agradeceu hoje?
  • Já visualizou o que você quer?
  • Já fez seu alongamento hoje?


Boa semana pra vocês!

segunda-feira, julho 04, 2011

O que você aprendeu hoje?

Foi assim que Henry Jenkins, que está LONGE de ser autor de auto ajuda, começou sua palestra no Descolagem, evento multimídia e hiperconectado que acontece desde 2008 e traz sempre nomes incríveis de arte, cultura, educação e tecnologia. E aí resolvi trazer pra cá, porque, bem, aprender coisas novas é fundamental e contribui para o encantamento. E encantamento diante do mundo É importante, sabe? É você perceber, todo dia, que o mundo pode ser legal (apesar das pessoas), perceber a beleza das coisas. Isso encanta, isso motiva, isso deixa feliz.

Hoje...

Bem, hoje na aula de Gestão de Crise eu aprendi que toda empresa deveria ter uma gerência do "vai-dar-merda". Também estou aprendendo a duras penas (por causa de uma afonia) a ficar em silêncio.

Ontem, assistindo ao documentário 'A doutrina do choque', aprendi alguma coisa sobre história política do Chile.

Sábado aprendi coisas bem interessantes sobre o sistema de educação municipal no Rio, sobre cultura participativa e também que se não ficar quieta, a rouquidão não passa.

Sexta aprendi a fazer um beehive no cabelo. E o mais legal: leva menos de 5 minutos, e não leva UM grama de spray.

E por aí vai. O deslumbramento não acaba, todo dia existe algo de novo para aprender. Se é útil ou não, vai saber... mas que existe algo de novo, não tenha dúvidas.

E você? O que aprendeu hoje?

quinta-feira, junho 23, 2011

Está começando a funcionar, e agora?

Funciona. Autoajuda funciona, ou pelo menos tem funcionado. Quer dizer, considerando que comecei o projeto em março, ainda tenho quase um ano pela frente pra ter certeza disso, mas... tem funcionado, e não exatamente as mensagens de autoajuda tão populares por aqui, mas toda aquela coisa de falar em voz alta, pedir para que coisas aconteçam, meditar e verbalizar seu desejo. E AGORA? E AGORA? Minha tese vai por água abaixo? Ou será que agora posso experimentar técnicas ainda mais hardcore para realmente ter a vida que eu sempre quis (com direito a viagens pra lugares exóticos uma vez por ano com o marido, trabalhar 4h por dia ganhando o triplo e por aí vai)? Ou será que agora é hora de tentar enteder o que faz com que essas técnicas deem certo (porque uns dizem que é 'conexão com energias ou um eu superior' e outros dizem que é apenas uma maneira de introjetar o seu desejo e agir COM FOCO para que ele se realize)?

Pode também ser uma baita duma coincidência eu ter iniciado este projeto numa época em que as coisas estavam se encaminhando para dar certo, né? É o que minha cabecinha cética acha MAIS plausível. Ou então a autoajuda pode ser também um CONFORTO enquanto as boas fases não chegam. Será?

Acho que esse projeto vira um livro, porque são muitas variáveis envolvidas.

E agora deixem eu ir ali aproveitar a boa fase, he he. :-)

quarta-feira, junho 08, 2011

Tudo é uma questão de perspectiva

Gabi viu na Dani Arrais que viu no 9GAG e eu achei muito apropriado pra esse projeto aqui:


É bem isso, né? Você pode escolher ser afetado por chiliques e grosserias alheias ou passar o dia num mau humor do cão (e, obviamente, influenciando as pessoas à sua volta com o seu mau humor ou suas reclamações sobre algo que não é culpa delas), mas pode escolher não se deixar afetar por problemas que não são seus, ou não passar os SEUS problemas para os outros.

É difícil. Mas é possível. E essa imagem aí é pra imprimir e guardar na agenda, botar no mural em casa, no trabalho, dar um de presente pro marido...

sexta-feira, junho 03, 2011

3 meses de Projeto Autoajuda!

Estive ausente esta semana porque 3a fui ao cinema e depois... bem, estive às voltas com uma morte na família. O que é óbvio e evidente que é triste, mas sempre é uma oportunidade de pensar sobre o assunto, refletir um bocado e tentar me preparar para as próximas mortes (por mais que nós, ocidentais e cristãos, evitemos o assunto, a REAL é que todo mundo vai morrer um dia, então que tal parar de tratar morte como 'imprevisto'?).

* * *

  • Bom, o balanço deste mês é mais ou menos o seguinte: ando com bem mais foco no trabalho do que antes, o que é bom, já que produtividade e organização são coisas que as pessoas ATÉ percebem.

  • Dei uma engordadinha de leve, mas não a ponto de voltar para os 68, o que quer dizer que posso começar novamente a dieta/reeducação alimentar com uma meta leve: 3kg - o que já me deixa novamente abaixo dos 65.

  • Ando usando a técnica da carteira que tem neste livro aqui, e a sensação de ter dinheiro é, se não real, interessante. Este mês veio um adicionalzinho no salário e decerto que o cartão de crédito terá bem MENOS reais a pagar, então acho que as coisas estão realmente se encaminhando para um bom caminho.
  • Fiz um caderninho de agradecimentos diários. Todo dia, anoto pelo menos UM motivo para ser agradecida. É curioso porque às vezes anoto dois, três na sequência, já em datas futuras. He, he.

  • Algumas coisas ainda comprometem minha felicidade, mas aparentemente elas não vão mais acontecer porque, se acontecerem de novo, EU me retiro da situação, e de uns tempos pra cá tenho trabalhado pra que esse processo voluntário de bater em retirada seja algo tranquilo e menos doloroso. Acho até que tristeza faz parte da vida, sim, mas quando a situação que te entristece se repete quase que diariamente... ei, EU POSSO AGIR, certo? Pessoas mudam, mas só quando elas percebem que precisam, por algum motivo... e cansei mesmo de gastar minhas energias tentando puxar pra cima pessoas que preferem continuar no buraco. Sorry. Não sou ONG.
  • Hoje bem aproveitei que estou sozinha em casa pra pedir coisas em voz alta. Sei lá, né? Vai que rola.

    E você? Tem feito alguma coisa para conseguir a vida ideal que você sempre quis ter? Tem agradecido? Tem aprendido algo de novo? Conta aí.

    terça-feira, maio 24, 2011

    O pensamento positivo funciona mesmo?

    Não sou eu que estou questionando. É a Superinteressante. De qualquer forma, eles trazem uns dados que eu, que não havia lido a matéria, já sabia - ou pelo menos já acreditava antes de mergulhar fundo no Projeto AutoAjuda: que o pensamento positivo, sozinho, não faz milagre.

    Bom, pelo menos até agora não FEZ milagre comigo. Inclusive, já desmotivei da reeducação alimentar e comecei a engordar tudo de novo, ha ha. Ha ha. Ha ha.  (ainda bem que não era muita coisa)

    - Pense positivo, Garoto Enxaqueca!

    De qualquer forma, autoajuda não é só motivação e pensamento positivo. Quer dizer, uma busca besta no google mostra que brasileiro, quando procura autoajuda, procura na verdade mensagens de autoajuda, que tem muito mais a ver com frases motivacionais do que com qualquer outra coisa - mas autoajuda é um conceito bem amplo e inclui desde espiritualidade até como ganhar dinheiro, como diminuir sua ansiedade, como mudar sua vida, como parar de procrastinar e todas aquelas coisas que a gente passa anos no analista pra resolver, porque a gente precisa entender o que faz a gente temer o sucesso, o que faz a gente fugir de relacionamentos saudáveis, ter medo de ficar sozinho, amarelar nas horas mais críticas e mais um monte de coisa que é cada um com seu cada um.

    A autoajuda TRU te dá fórmulas, passos e dicas para que você vá lá e FAÇA o que tenha que ser feito, MUDE o que tem que ser mudado, sem precisar gastar os tubos na sessão de análise toda semana (sem desmerecer os psicólogos! Pelo contrário... eu estou é desmerecendo a autoajuda). Se funciona? BEM, é isso o que estou tentando descobrir. A análise (reichiana, pra quem se interessar) funcionou muito bem pra mim por uns três bons anos, e até acho que funcionaria bem agora. Mas resolvi tentar a autoajuda. Sabe como é que é, né? Vai que.

    E o que o pensamento positivo tem a ver com isso? Bem, pensar positivo é apenas uma parte da autoajuda. E o que a matéria da Super diz é que pessoas mais positivas tendem a se cuidar melhor, que motivação (junto com trabalho, claro) traz resultados e que atitudes otimistas (mais do que o pensamento) tendem a ajudar no bem estar. E a minha tese, aqui, é que quando você ACREDITA mesmo naquilo, você ganha FOCO pra correr atrás do que você quer, o que inclui, por exemplo, parar de dar murro em ponta de faca e se cercar de pessoas certas para que o que você quer aconteça, ou tomar atitudes sensatas para que o que você quer aconteça. O pensamento vira motivação, que vira foco, que vira atitude orientada para um objetivo... e aí acho pouco provável que os tais milagres não aconteçam.

    E você? O que acha disso tudo? É por aí mesmo? Ou será que milagres acontecem? Falaê.

    domingo, maio 22, 2011

    Desentulhar a casa

    Vendo a quantidade de COISAS em cima da minha mesinha de cabeceira (uns 8 produtos para os pés, descongestionante nasal, caixas vazias, grampos, esmaltes, massageadores e TRÊS fontes de luz diferentes, penso seriamente que minimalismo é difícil pacas, jogar coisas fora é muito complicado, arrumar idem. Em algum momento, sei que preciso jogar coisas fora, dar e vender itens que estão sobrando, encaixotar o que serve e eu não uso e detonar sem dó o que não serve mais, tipo os 10kg de revistas velhas empilhadas no cantinho do quarto.

    Marido também é um acumulador, o que torna este trabalho um pouco mais complicado, mas vamo que vamo. Essa talvez seja a parte mais difícil, porque tem a ver com hábitos antigos e com uma certa necessidade de conforto (passei quase 10 anos morando sozinha, estar rodeada de objetos traz uma atmosfera, AHAM, familiar, segura, humana... certo?

    Periodicamente, faço umas limpas no armário e doo coisas para ongs e para a igreja aqui do lado. Mas agora não é só isso. Agora é preciso realmente jogar revistas velhas fora e fazer A GRANDE FOGUEIRA com os diários de quando eu tinha 10 a 14 anos. Porque, né? Se NINGUÉM VAI LER, serve pra que?

    Pra nada. Tá na hora de tomar coragem e encarar os quilos e quilos de entulho da casa. DESEJEM-ME SORTE.

    terça-feira, maio 17, 2011

    Agradeça as coisas boas!

    '365 Grateful' era um projeto de fotografia: Hailey Bartholomew estipulou uma meta de tirar uma foto por dia de algo que a fizesse feliz ou agradecida. Para isso, Hailey criou um grupo no Flickr, site de compartilhamentos de fotos, o que inspirou outras pessoas a fazer o mesmo. Hoje, o projeto cresceu, mudou a vida de muita gente, ganhou o reforço de Toni Powell e está prestes a virar um documentário.

    Se você tiver disciplina para registrar diariamente as coisas pelas quais é agradecido, faça. Diz a autora do projeto que encontrar todo dia algo por que agradecer melhorou - e muito - vários aspectos de sua vida. É aquela coisa, né? Se você pode ser agradecido por algo, é sinal de que existem coisas boas à sua volta, e isso torna qualquer vida melhor, porque você passa a lembrar das coisas bacanas, dos presentes que a vida te dá, e a focar NESSAS coisas, nesse sentimento de gratidão e felicidade. No caso dela, que transformou sua gratidão em um projeto artístico, certeza de que isso ajudou na divulgação de seu trabalho, o que pode ser traduzido como 'mais trabalho, melhor pago' e todas aquelas coisas. E ainda ajuda a ver a vida com outros olhos... olhos mais otimistas.



    As fotos acima são de autoria de Hailey Bartholomew, que autorizou a reprodução aqui no blog (thanks, Hailey!). Tem mais aqui:


    Bom, eu não tenho disciplina pra desenhar, escanear e postar algo, ou fotografar, ou até mesmo escrever diariamente. Você talvez também não tenha. Ok. Quando você lembrar, anote. Verbalize. Fale pra alguém. Lembrar das coisas legais da vida faz a gente se sentir bem, e se você se sentir bem todo dia, mesmo que seja por uns minutinhos... já é bom.

    HOJE

    • Hoje eu agradeço pela família incrível que eu tenho. São pelo menos 4 gerações de gente amorosa, divertida, inteligente... minha mãe, meu pai, as pessoas com quem meus pais escolheram se casar, meus irmãos incríveis, minhas tias e tios, a primaiada toda, as avós e a bisa. Cara, é muito amor nessa vida.
    • Meu maridão, meu companheiro, tanto amor que eu sinto por ele (e estou sendo recompensada pela minha persistência, haha), e que de quebra veio com um sogro e uma filha que são o máximo.
    • Tenho um emprego razoavelmente estável, que paga as minhas contas e me permite dormir tranquilamente (e eu trabalho fazendo algo que gosto).
    • Moro num lugar confortável, de uma maneira confortável e sou MUITÍSSIMO agradecida por isso
    • Sou extremamente grata por ter saúde e por ter um cérebro que funciona MUITO BEM
    • Agradeço a existência do suco de melancia, da Mulher Maravilha, da bala Juquinha, dos filmes mais recentes do Jean Pierre Jeunet, do bambolê, do ukulele e do lindy hop.

    E você? Agradece o que?

    sexta-feira, maio 13, 2011

    "Peça e será atendido", o livro

    Tá, tenho escrito pouco aqui, mas é que trabalho e pós são prioridade, andei resfriada esses dias e preferi me preservar. Mas deixa eu contar pra vocês: tou lendo um livro chamado 'Peça e será atendido'. Autoajuda DAS BOAS.


    O livro é escrito por Jerry e Esther Hicks, quer dizer, é escrito por Abraham, guia espiritual do casal, que escreve por meio de Esther. Independente de se você acredita ou não em guias espirituais, o livro tem dicas muito interessantes sobre como conseguir as coisas que você pede. Eu, por exemplo, não acredito (mas também não duvido, veja bem!).

    Você precisa, na verdade, partir do princípio de que somos seres vibracionais e tudo o que a gente vê também é formado por vibrações. Logo, tudo é moldável. Deixa eu te contar uma coisa: acho esse discurso dos seres vibracionais bastante questionável, mas se você considerar que a comunidade científica acredita e está trabalhando duro para provar a teoria das cordas, você começa a pensar se ei! Esse pessoal SABE e ACREDITA na teoria das cordas, só que com outro nome. Logo, esses caras têm uma visão de mundo muito parecida com a minha. Logo...

    Ou seja, se você fizer essa ressalva, você pode ACREDITAR no discurso do livro já nas primeiras páginas. Daí pra fazer tudo o que eles recomendam na parte dos exercícios e processos, é um pulo. Se vai dar certo? Por que não? Não custa tentar.

    O fato é que estou até gostando de 'Peça e será atendido': é autoajuda das boas, mais prática do que apenas motivacional. Por incrível que pareça, as orientações deles são sempre embasadas, você não faz nada à toa. Se você souber traduzir o discurso dos guias e das vibrações para algo em que você acredita (supondo que você, como eu, seja uma pessoa bastante agnóstica), dá pra tirar algo de interessante aí: ainda que as dicas para ter mais foco, atrair dinheiro ou ver as coisas de modo mais positivo não funcionem... bem, pelo menos o lance sobre ver as coisas de modo mais positivo eu SEI que vai funcionar, então já adiantou de alguma coisa.

    Aproveitem que o livro está barato e que a Saraiva foi bem avaliada no ranking da Exame sobre atendimento ao consumidor.

    segunda-feira, maio 09, 2011

    Como largar seu emprego e viver do que você ama?

    Antes de mais nada, não é que eu queira. Não agora. Mas é que fico lendo essas histórias de gente que trocou a vida corporativa por mais tempo com a família e lembro que 8 entre 10 autores de blogs e livros de autoajuda, desenvolvimento pessoal e afins falam da busca da felicidade, que você deve fazer aquilo por que é apaixonado, que você deve montar seu próprio negócio, ou viver uma vida minimalista, ou simplesmente dar adeus ao seu emprego chato, que não tem nada a ver com você e...

    ...e que paga BEM, né?

    Você nunca leu histórias de altos executivos que tiraram um ano sabático e, na volta, descobriram o prazer da culinária? Ou do alto executivo que, depois de sobreviver a um infarto, repensou sua vida e chegou à conclusão que deveria trabalhar 5h por dia e se dedicar à yoga e à família? Ou da executiva que resolveu largar o emprego para se dedicar full-time à maternidade e hoje é bem mais feliz assim?

    Todos eles têm uma coisa em comum: podem se dar ao luxo de largar seus empregos porque têm dinheiro guardado o suficiente para o sustento por um tempo até o novo negócio dar certo, ou têm maridos que podem sustentar a casa ou... você entendeu meu ponto: você, classe média, proletário, de carteira assinada e que não mora mais com a mãe não pode se dar ao luxo de 'dar adeus ao seu emprego chato e que paga mal' sem passar um bom tempo sem pagar as contas de luz, telefone, gás, sem tomar banho, sem comer, sem cortar o cabelo...

    Ou seja: não é o meu caso. Provavelmente também não é o seu.

    A menos que...

    ...bom, a menos que você já esteja se planejando pra isso. A menos que você use seu tempo livre e não-remunerado para trabalhar no seu negócio, na sua empresa. A menos que você abra mão dos fins de semana ou de chegar em casa e descansar pra investir em um negócio paralelo, e que seu negócio paralelo um dia comece a render frutos. O que você não pode é simplesmente 'parar para se dedicar à sua própria vida e trabalhar sendo você mesmo'.

    Ou...

    ...bem, há quem tenha a coragem e a determinação necessárias pra fazer isso assim mesmo. Posso apostar que esses viventes passaram perrengue por algum tempo.

    Vocês têm alguma história de gente que largou emprego pra se dedicar aos seus talentos, aos filhos, a ser feliz SEM PÉ DE MEIA nem MARIDO OU MULHER QUE SUSTENTE A CASA, e conseguiu viver bem com isso, sem passar fome ou ter que vender tudo em casa pra ganhar uma grana? Conta aí, vamos dividir experiências. Eu acho difícil, mas talvez não seja impossível. Vai que existem casos de sucesso. Vai que.

    * * *

    Talvez você goste deste post aqui, no meu outro blog.

    Talvez você se inspire pela incrível história da executiva que desistiu de seu empregão para ser feliz na vida ou com o Middle Finger Project, um site de uma garota como eu e você, que aparentemente está conseguindo viver (bem!) de escrever e planejar estratégias digitais, que é o que ela ama fazer.

    sexta-feira, maio 06, 2011

    Praticando o zen

    Bom, já passou BEM da hora de marido chegar da aula, o que quer dizer que ele não veio direto pra casa. Deve ter feito um pitstop no boteco sem me avisar - ou seja, LEVEI BOLO.



    E aí, o que vocês acham que vou fazer?

    a) Fico puta da vida porque eu fiquei em casa feito uma burra cozinhando pra quando ele chegasse, quando poderia ter saído pra dançar? (não sei se vocês sabem, mas amo dança de salão - só não tenho feito aulas ultimamente porque o trabalho e a pós já estão me deixando surtada o suficiente)

    é... não posso negar que fico putaça nessas horas. Mas, gente, olha o desapego: EU TENHO MAIS O QUE FAZER. No mal, no mal, já adiantei o almoço de amanhã. Então vamos à opção b:

    b) adianto trabalho da pós e, como havíamos combinado, assisto Big Bang theory e namoro bastante. Certo?

    Errado. Namorar sem ele é impossível.

    (ah, qual é, eu sou uma mulher de princípios e valores, dada ao respeito... e se de UMA coisa eu tenho certeza é que o pitstop no boteco não envolve mulher) 

    De qualquer forma, ainda não atingi o zen total nessa área. Ainda não acho que precise aceitar levar bolo e, pior, não ser avisada a tempo de poder mudar a programação. Porque tem gente que acha tranqs, né? Ah, o cara só vai ali e já volta, nem tá com mulher, deixa ele. Eu não. Eu quero ser avisada pra poder ir ali também.

    E aí, amiga dona-de-casa? Isso também acontece com vocês? Como faz? Alguém tem dicas de autoajuda pra esse tipo de situação no relacionamento? Como ser uma mulher superior e não dar a mínima pra essas coisas? Hein? Hein? Hein?

    quarta-feira, maio 04, 2011

    2 meses de projeto: resumo

    Gente, continuo firme e forte no Projeto AutoAjuda! Já são 2 meses de projeto e, bem...

    ...acho que posso dizer que ainda falho miseravelmente estou no caminho certo para resolver os itens 'finanças' e 'tempo livre' (senão eu conseguia atualizar isso aqui com mais frequência essa semana, certo?).

    Mas vamos lá: pelo menos há trabalho, há amor, há tesão, há família, há música, há nota alta nos trabalhos da pós, há saúde e, por tudo isso, sou imensamente agradecida. Sério. Não é papo de autoajuda não. Serião.

    E pra completar, há autoestima.Yay! quer um pouquinho aí? Aqui tá sobrando a ponto de quase virar narcisismo! o_O

    * * *

    E você? Tem agradecido as coisas boas da sua vida ultimamente?

    quinta-feira, abril 28, 2011

    Dia 58: será que estou fazendo algo errado?

    E aí, Lia Amancio? Você está fazendo tudo direitinho?

    - Alongamento
    Ai. Esqueci. Mas estou mantendo a reeducação alimentar e sobrevivi à Páscoa sem distorções na balança! Agora descobri os complexos vitamínicos que melhoram minha disposição, viu? Porque, com esse ritmo de trabalho e estudo, o normal é viver cansada. As vitaminas ajudam a melhorar a disposição do cérebro, inclusive.

    - Agradeço tudo o que tenho
    Todo dia. Todo dia. Tenho uma casa confortável (que não está no meu nome, mas estou trabalhando pra isso), tenho um emprego em que faço o que gosto cercada de gente boa, meu namoradomarido é um cara interessante, inteligente e companheiro, tenho saúde e tenho uma família que me apoia. O que mais eu poderia querer?

    - Visualizo dinheiro entrando na minha conta
    Ah. Isso. Claro! Vou começar a verbalizar essa parte, viu, porque tá complicado. Atualmente, sai mais do que entra - e olha que esse mês andei super na linha! Como pode uma coisa dessas?

    - Organização e produtividade
    Gente! Deixa eu contar: fiz uma SUPER LISTA pra usar no trabalho com pendências mensais, semanais... precisa ver, coisa mais organizadinha de deus. Fica, inclusive, mais fácil dar feedback para o chefe. Por enquanto, essa lista não é DE VIDA, é só de trabalho. Dando certo, tento implementar na VIDA. Recomendo! O word e o excel são grandes amigos da executiva moderna, viu?

    - Penso em como quero que seja meu dia
    Hum, esqueci essa também.

    - Digo pra Cid o quanto eu o amo
    Sim! Sempre!

    - Entro em contato com minha família (e-mail, telefone ou sinal de fumaça)
    Sim! Mas estou em falta com as avós...



    E aí? Dá resultados?

    Pois é. Pois é. Veja bem:

    • A saúde vai bem, obrigada. A balança estabilizou em 3,5kg a menos do que quando comecei o projeto, com disposição e sem olheiras.
    • O casamento vai bem também! Obrigada por perguntar!
    • Como agora Cid chega mais tarde, a cozinha é por minha conta (a louça é dele, entretanto), o que dá margem para mais um campo de experimentação criativa: em um mês, já fiz meu primeiro pesto, minha primeira guacamole, meu primeiro tabule, pasta de grão de bico... graças a um e-book de receitas que se mostra mais um investimento do que um gasto, já que temos economizado ticket-mercado e ainda comido bem.
    • Trabalho está ok: não ter medo de FALAR e PEDIR (não necessariamente para deus, mas pra alguém concreto que pode fazer coisas por você), desde que sabendo o momento e o meio certos, pode trazer resultados, ainda que apenas morais (o que já é bastante coisa, pois motivação é fundamental nessa vida!).
    • Já os resultados financeiros... tudo ficou mais caro nessa cidade ou o que? O que acontece que eu NÃO comprei nada, NÃO fiz nenhum grande gasto no cartão e NÃO chego ainda com salário no fim do mês? Tá, este mês teve contribuição sindical e não teve os adicionais do mês retrasado, ou seja: e agora? É, eu sei: preciso começar a investir e a guardar uma grana, ainda que pouca, mas todo mês... mas como? Quer saber? Vou fazer isso NO INÍCIO DO MÊS. Pronto. Porque se deixar pro final do mês, não sobra - então é melhor que eu já comprometa 150 pratas como gasto fixo (além do condomínio, telefone, celular, net, luz, etc etc etc - affe!), em que eu não posso mexer, e me vire ao longo do mês pra fazer durar o que sobrar.
      Será que rola?
      Será que é uma boa?
     E você? Tem o hábito de poupar mesmo ganhando MENOS do que gasta? Como você faz? Me ensina?

    * * *

    Quer saber? Acho que só está faltando o fundamental: ACREDITAR. Porque ainda estou bem cética em relação ao experimento... comecei ACREDITANDO e, agora, me apego mais ao que não evoluiu do que às áreas em que já progredi... não é bom. Preciso dar um jeito de manter a motivação no projeto. Pode deixar que, se descobrir como virar uma pessoa que CRÊ, conto pra vocês.

    segunda-feira, abril 25, 2011

    Como espantar o mau humor e ser feliz


    Por mais estressante que seu dia a dia seja, ninguém precisa reclamar o tempo todo. Dá pra ser feliz, sim – é tudo uma questão de atitude positiva e de aprender a saborear as pequenas delícias à nossa volta.

    1Gentileza gera gentilezaFATO. Basicamente, é a lei da ação e reação funcionando também nas relações humanas:  você sorri e dá bom dia, seu interlocutor retribui. O contrário também é verdade – do mesmo jeito que mau humor contagia, um sorriso genuíno levanta o astral do ambiente. Pense nisso e deseje um bom dia sincero para as pessoas à sua volta. 
     
    2Abaixo o "mimimi"A grana acabou ainda no início do mês? As contas não param de bater? Alguém na família está com um problema de saúde? Lembre-se: mau humor não vai resolver nada para você. Pelo contrário. Contar seus problemas para amigos chegados é ok, mas ficar reclamando e resmungando pelos cantos atrai uma certa antipatia alheia. Mesmo que seu problema seja sério.
     
    3AgradeçaEm vez de focar no que você não tem, que tal agradecer as coisas boas? Exercite a gratidão: você tem algo para comer, você tem onde dormir, você tem saúde? Você tem um emprego? Você tem a oportunidade de estudar? Seja grato por isso! Verbalize. Mantenha um diário de gratidão pelas coisas boas. Lembre-se de agradecer todos os dias.
     
    4AutocontrolePolicie-se. Sério. Toda vez que você pensar em algo negativo, lembre-se novamente das coisas pelas quais você agradece diariamente. Se você se sentir compelido a reclamar da vida, pare antes de começar e pense nas coisas boas.
     
    5Cuidado com a felicidade passageiraTem gente que bebe pra esquecer. Tem gente que joga. Tem quem faça arte, tem quem reze: sim, estamos falando das válvulas de escape e dos confortos momentâneos. Arte e religião lhe dão conforto para a vida. Já os vícios trazem um conforto momentâneo… Que passa. E aí você acorda e vê que está tudo igual. Em vez de apelar para uma válvula de escape passageira, que tal agir para que sua felicidade seja duradoura? Se você sabe o que lhe faria genuinamente feliz, por que não correr atrás?
     
    6Faça exercícios físicosExercícios liberam serotonina e endorfina, hormônios que trazem bem-estar. Junte isso à sensação de estar ao ar livre e… Que tal uma corridinha ou pedalada matinal, antes de sair para o trabalho? Pode fazer milagres para seu humor!
     
    7RomantismoVocê tem uma cara-metade? Proporcione uma noite romântica para o casal. Você não tem uma cara-metade? Seja romântico consigo mesmo! Um banho relaxante, aromaterapia em casa, um jantar especial… Você merece!
     
    8Mas, se estiver muito difícil...Se for muito difícil manter o bom humor, lembre-se de sentir prazer com pequenas coisas. Sim, elas existem! Um cãozinho fofo, um sorvete de doce de leite, uma cerveja gelada bem saboreada, cheiro de alho refogado, um abraço do filhão ou da cara-metade, um telefonema para a avó. Um vídeo divertido, uma música da qual você goste. Repare na paisagem, repare nas pessoas, tente ver o mundo com outros olhos. Descubra lugares na sua cidade que você não conhece, tente desenhar mesmo sem saber, estimule sua criatividade.
     
    9Um dia de cada vezLembre-se: ver a vida com bons olhos pode virar um hábito! Todos os dias merecem atitudes positivas. Experimente e observe o resultado!

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...